Estudantes visitam CasaE
30/12/2013

Estudantes conhecem inovações em sustentabilidade e eficiência energética na CasaE

CasaE da BASFEstudantes de design de interiores e arquitetura da ETEC de Santo André e de projetos socioeducacionais coordenados pela BASF nas cidades de Guaratinguetá e São Bernardo do Campo encerraram o ano discutindo eficiência energética, sustentabilidade e inovações em construção. Durante visita à CasaE, a Casa de Eficiência Energética da BASF, em dezembro, eles vivenciaram uma experiência que amplia a visão sobre os desafios em construção sustentável e inspira novos talentos a atuar na área. Nos últimos dois meses, cerca de 200 estudantes conheceram o espaço e as tecnologias inéditas que permitem economia de até 70% no consumo de energia, além de redução no consumo de água e emissão de CO2. A Casa está localizada na Avenida Prof. Vicente Rao, zona sul de São Paulo, SP.

SobreCasaE – A CasaE é a primeira Casa de Eficiência Energética da BASF no Brasil e a 10ª unidade da empresa no mundo. O projeto recebeu soluções inovadoras desenvolvidas pela BASF e pelos parceiros envolvidos com o objetivo de reduzir o consumo de energia e a emissão de CO2.

O sistema construtivo é constituído de um painel de cerâmica estrutural e a fundação de alvenaria. As paredes, piso e laje foram executados em Sistema EIFS – Exterior Insulation and Finish Systems – que consiste em placas de poliestireno expandido Neopor sobre a construção tradicional. O Sistema ICF – Insulated Concrete Formwork– de tijolo feito com Neopor – poliestireno expandido – foi aplicado em uma das salas. Essas inovações, além de tornarem a obra mais rápida e limpa, são responsáveis por um isolamento térmico eficiente. A estimativa de economia de energia a partir das tecnologias implantadas pode chegar a cerca de 70%.

A BASF tem entre seus pilares a construção sustentável e oferece soluções voltadas à eficiência energética, além de materiais de alto desempenho, design e decoração. São plásticos, poliuretano, produtos químicos para construção, tintas, vernizes e pigmentos de última geração. Todos esses materiais foram aplicados na CasaE com o objetivo de mostrar ao mercado de construção o que existe de mais moderno em termos de obra de eficiência energética.

Serviço: Os interessados em conhecer o projeto podem agendar uma visita pelo e-mail casae@basf.com | CasaE

OR reúne casas e apartamentos
11/12/2013

Atrative Vila Mariana é o quarto empreendimento da OR na região e o segundo residencial com selo sustentável lançado pela empresa em São Paulo

A Odebrecht Realizações Imobiliárias (OR) apresenta o Atrative Vila Mariana, empreendimento residencial localizado em uma das regiões mais valorizadas de São Paulo. Sempre buscando aplicar conceitos inovadores em seus projetos, com o Atrative a OR oferece casas e apartamentos inseridos no mesmo condomínio, proporcionando diferentes modelos de moradia em um único espaço.

São 123 apartamentos – em torre única – de dois e três dormitórios e três suítes, cujas áreas variam de 69 m², 95m² e124 m², além de quatro casas, de 242 m² e 251 m². O formato do empreendimento, que tem Valor Geral de Venda (VGV) de aproximadamente R$130 milhões, foi planejado para oferecer mais conforto para os moradores: piscina e quadra cobertas garantem atividades mesmo em dias de chuva, e uma academia com pé direito duplo e mezanino, proporciona mais espaço para a prática esportiva. Os moradores das casas, além de residir em espaço semelhante a uma pequena vila, poderão usufruir da segurança e lazer exclusivos proporcionados pelo condomínio.

“Mais do que atender diferentes públicos, a proposta da OR é permitir a convivência harmoniosa entre diferentes famílias. Nada melhor do que escolher um bairro agregador como a Vila Mariana para isso”, destaca Juliana Monteiro, diretora de incorporação da OR.

Ocupando uma área de 4.260,00 m², o empreendimento é delimitado por três ruas – Jorge Tibiriçá, Bitencourt Sampaio e Luis Isaias de Sousa – o que restringe a construção de edificações vizinhas, evitando um maior adensamento. O Atrative inova também em relação à sustentabilidade. Projetado de acordo com orientações da certificação Aqua, concedida pela Fundação Vanzolini (USP), atende aos 14 critérios para a obtenção do selo, que vão desde a relação do edifício com seu entorno durante o processo construtivo, passando pela gestão eficiente da água e energia, até o conforto acústico e olfativo dos moradores.

“A preocupação com a sustentabilidade, já consagrada nos edifícios corporativos, vem ganhando força entre os residenciais e deve ser tornar um critério de compra cada vez mais valorizado”, destaca Juliana Monteiro. “A OR foi uma das pioneiras neste quesito ao lançar um dos primeiros residenciais sustentáveis de São Paulo, o Park One Ibirapuera. O resultado e a experiência foram tão positivos que decidimos replicar o conceito no Atrative”, completa Ricardo Toscani, diretor de construção do empreendimento.

Localização – O Atrative é o terceiro projeto da Odebrecht Realizações Imobiliárias na região. A Vila Mariana tem se consolidado como um dos bairros mais cobiçados de São Paulo, principalmente por conjugar excelente localização e vocação residencial: ruas arborizadas e calmas conferem um ar de cidade do interior ao bairro, mesmo estando a poucos quilômetros do mais importante centro financeiro de São Paulo, a Avenida Paulista.

O Atrative Vila Mariana está localizado a apenas 700 metros da estação Santa Cruz do metrô, o que facilita a utilização do transporte público pelos moradores. “Morando em um dos locais com maior oferta de serviços e lazer, além de próximo ao metrô, fica muito mais fácil deixar o carro em casa e evitar o trânsito”, destaca Juliana Monteiro.

Ficha Técnica – Terreno: 4.260,00 m²/ Endereço : Rua Jorge Tibiriçá X Rua Bitencout Sampaio x Rua Luis Isaias de Sousa/ 1 Torre/ 127 Unidades/ Área Privativa: 13.471,53m²/ Área Construída: 21.801,10 m²/ Projeto de Arquitetura: MCAA Arquitetos/ Projeto de Paisagismo: Martha Gavião Arquitetura Paisagística/ Projeto de Decoração: Fernanda Marques Arquitetos Associados.| AtrativeVM

Vencedores do Green Project Awards/Br
10/12/2013

Entre os ganhadores há desde uma pequena empresa do interior do Rio de Janeiro e um jovem empreendedor da periferia de São Paulo até um gigante como o Banco do Brasil

Os ganhadores da edição 2013 do Green Project Awards Brasil já são conhecidos. O anúncio foi feito em 1º de novembro) no Teatro Vivo, em São Paulo. Entre os ganhadores dos prêmios principais em cada categoria há um gigante da economia brasileira, o Banco do Brasil, uma pequena empresa do interior do Rio de Janeiro, uma pesquisadora de Santa Catarina, o Sesi do Paraná e um jovem empreendedor da periferia de São Paulo. No total, foram reconhecidos 14 projetos de todo o Brasil.

O Banco do Brasil foi o vencedor na categoria Produto ou Serviço com o projeto da Loja da Sustentabilidade, que comercializa produtos sustentáveis pela internet. “O lucro que nós construímos é um resultado que tem preocupação também com a sustentabilidade”, afirmou Robson Rocha, vice-presidente de Gestão de Pessoas do banco.

O Sesi-PR (Serviço Social da Indústria do Paraná) foi o vitorioso na categoria Iniciativa de Mobilização. O projeto vencedor foi o que promove as Redes de Desenvolvimento Local, com o objetivo de ajudar as cidades a atingirem os Objetivos do Milênio. Diva Vieira, uma das coordenadoras do programa, afirmou, ao receber o trofeu, que o propósito do Sesi-PR com o projeto “é contribuir com o desenvolvimento sustentável do país”.

Na categoria Gestão Eficiente de Recursos o prêmio principal foi para a Extrair – Óleos Naturais, de Bom Jesus do Itabapoana (RJ), com o projeto que extrai óleo de semente de maracujá a partir de resíduos de indústrias de sucos. Sandro Reis, proprietário da empresa, mostrou orgulho por uma microempresa do interior do Rio de Janeiro ter sido escolhida em uma categoria que tinha, entre os concorrentes, um gigante como o grupo Votorantim. “Agradeço a quem avaliou os projetos por valorizar uma pequena empresa vinda do interior do Rio, lá onde o vento faz a curva”, afirmou, com bom humor. Ele disse que dirigiu a noite toda até a cidade do Rio para pegar um voo e chegar ontem pela manhã em São Paulo para o evento.

A pesquisadora Regina de Fátima Peralta Muniz Moreira, da do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal de Santa Catarina recebeu o prêmio principal na categoria Pesquisa e Desenvolvimento. Seu projeto prevê as aplicações ambientais de resíduos da mineração de carvão. A pesquisadora, muito emocionada, quase não conseguiu falar para agradecer o prêmio. “Estamos todos muito felizes”, resumiu.

E na categoria Iniciativa Jovem o vencedor foi Ricardo Thaler Beck, da Penha, zona leste da cidade de São Paulo, com o projeto Quero Verde. O programa prevê usar resíduos de feiras livres para produzir húmus, usá-lo na produção de flores e vendê-las nos bairros por meio de assinaturas. As flores são entregues em bicicletas. “Colocar o lixo numa sacolinha e deixar na rua para que ‘alguém’ pegue não é mais o ato mais sustentável que podemos fazer. Precisamos de lado algumas ações mesquinhas que adotamos. É hora de fazer alguma coisa pela sustentabilidade, afirmou.

Além dos prêmios principais, em cada categoria foram entregues também menções honrosas. Entre os premiados com menções honrosas estão o Sesi-RJ, a Votorantim Industrial e o Centervale Shopping, de São José dos Campos.

O júri reuniu pessoas reconhecidas na área de sustentabilidade no Brasil e foi presidido por Bruno Covas, secretário de Estado do Meio Ambiente de São Paulo. Covas se disse muito feliz de ver tantas iniciativas sustentáveis e de qualidade “pipocando pelo país”. Ele elogiou o Green Project Awards Brasil e disse que pretende continuar parceiro do programa.

A cerimônia teve palestras sobre mobilidade e outros temas ligados à sustentabilidade, como logística reversa. Entre os convidados estiveram Mônica Carrasquila, diretora da Bogotá Como Vamos, Mauricio Broinizi Pereira, coordenador da secretaria-executiva da Rede Nossa São Paulo e do programa Cidades Sustentáveis, Joubert Flores, diretor do Metrô Rio, e Carlos Leal Villa, presidente da Solví.

A segunda edição no Brasil o do prêmio de sustentabilidade mais importante em Portugal teve 188 projetos inscritos de todo o Brasil para suas cinco categorias. Em Portugal, o prêmio obteve o reconhecimento do governo do país e da Comissão Europeia. Na cerimônia desta sextafoiexibido um video do comissário europeu para o Ambiente em que ele trata da importância do GPA. A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – CPLP também é parceira do projeto.

Os objetivos do Green Project Awards são estimular o desenvolvimento sustentável e mobilizar a sociedade para o tema. O GPA acredita que o reconhecimento público de boas práticas e bons projetos de sustentabilidade pode ajudar a cumprir esses objetivos, dando visibilidade a empresas, pessoas e instituições que promovam ações de sustentabilidade.

O Green Project Awards Brasil é uma iniciativa da GCI, uma consultoria portuguesa especializada em sustentabilidade. Em cada país, o governo local é sempre um parceiro do programa. No Brasil, a co-realização é do INT (Instituto Nacional de Tecnologia), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Além de Brasil e Portugal, o GPA já chegou também a Cabo Verde e, no primeiro trimestre de 2014, devem ser lançadas as edições de Angola e Moçambique. A partir do ano que vem será entregue o prêmio CPLP – Green Project Awards para o principal projeto vencedor entre todas as categorias nos países envolvidos. A proposta é fomentar a cooperação econômica dos países de língua portuguesa e contribuir para a geração de sinergias em projetos de desenvolvimento sustentável entre os países membros da CPLP.

Os vencedores

Categoria Iniciativa de Mobilização – campanhas e ações de sensibilização e informação/ Vencedor – Informação e mobilização em prol do desenvolvimento local, SESI-PR/ Menções honrosas – Brasil Sem Frestas, reciclagem de embalagens Tetrapak, Projeto Brasil Sem Frestas, Rio Grande do Sul/ Heróis do Futuro — SESI-RJ

Categoria Pesquisa e Desenvolvimento – projetos que já tenham sido temas de dissertação ou publicação científica/ Vencedor – Aplicações Ambientais de resíduos da Mineração de carvão, Regina de Fatima Peralta Muniz Moreira, Departamento de Engenharia Química e Engenharia de Alimentos da Universidade Federal de Santa Catarina/ Menções honrosas – Geração de Energia e Produção de Nanotubos de Carbono a partir de Resíduos Sólidos, Joner Oliveira Alves e Jorge Alberto Soares Tenório, Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, USP.

Categoria Gestão Eficiente de Recursos – soluções inovadoras para o aumento da eficiência no uso de energia, água, materiais e para a redução da produção, reciclagem/tratamento de resíduos e outros critérios com impacto ao nível das várias dimensões da sustentabilidade (ambiental, social e econômica)/ Vencedor – Extração de óleo de sementes de maracujá proveniente de resíduos gerados por indústrias de suco, Extrair, Óleos Naturais, Bom Jesus do Itabapoana, RJ/ Menções honrosas – Projeto de eficiência energética na Votorantim Industrial, Votorantim Industrial, SP/ CenterVale Plantando o Futuro, CenterVale Shopping, São José dos Campos, SP.

Categoria Produto ou Serviço – projetos já concretizados, nas áreas de desenvolvimento social, economia, ética e ambiental/ Vencedor –  Loja da Sustentabilidade do Banco do Brasil, Banco do Brasil, DF/ Menções honrosas – Programa RC, Reciclagem de Cartão —RS de Paula Indústria e Comércio Gráfico, São Paulo, SP/ DIOX, Sistema de produção de Dióxido de Cloro, Beraca, São Paulo, SP.

Categoria Iniciativa Jovem – iniciativas e/ou projetos criados e desenvolvidos por jovens (até aos 24 anos) ou movimentos universitários em prol da sustentabilidade/ Vencedor – Quero Verde, Ricardo Thaler Beck, São Paulo, SP/ Menções honrosas – Concerto Sustentável: aprendendo a cuidar do meio ambiente cantando e brincando, José Fernandes Dantas Junior, Currais Novos, RN/ Parada do Livro, Helena Abreu e Helena Aranha, São Paulo, SP.

SobreINT – O Instituto Nacional de Tecnologia (INT) é uma instituição de caráter multidisciplinar, integrante do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Criado em 1921 tem como finalidade promover, desenvolver e executar pesquisas, com foco na transferência de tecnologia à sociedade, bem como prestar serviços técnicos especializados e capacitar recursos humanos, com ênfase na inovação. O INT busca soluções tecnológicas que harmonizem crescimento econômico, justiça, bem estar social, conservação ambiental e utilização racional dos recursos naturais, tendo como objetivo o Desenvolvimento Sustentável.| INT

SobreGCI – A GCI Portugal é a consultora portuguesa com maior expertise na criação e implantação de estratégias de Public Engagement. Lançou em 2008, em conjunto com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus, uma iniciativa pioneira em Portugal: o Green Project Awards. Após seis edições, o Green Project Awards continua como meio para a sensibilização e conscientização da sociedade civil para o equilíbrio ambiental, econômico e social e evoluiu para uma mostra de inovação, criatividade e eficácia, promovendo a discussão de temas como o fim da pobreza, biodiversidade e a inclusão social.| GreenProjectAwardsBrasilGCIPortugal