Fábio Alvim no MCB
30/12/2013

Fábio AlvimFábio Alvim está na paralela ao 27º Prêmio Design, que o Museu da Casa Brasileira apresenta com a proposta de relembrar a trajetória dos “Pioneiros do design brasileiro”. Com visitação até 26 de janeiro/2014, há um painel sobre o criador de objetos, gravuras e joias Fábio Alvim, que notabilizou-se pelo design de luminárias como a “Concha”, catalogada pelo MoMA (Nova York). A peça ficará exposta com textos e imagens de outros trabalhos de Alvim na área de iluminação.

Com esta iniciativa, o museu pretende resgatar, em paralelo às edições anuais do Prêmio Design, trajetórias individuais marcantes na história do design nacional. “Quando foi criado o Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, em 1986, muito pouco se sabia sobre esse segmento no Brasil. Ainda hoje, muitos dos principais designers nacionais, em especial os pioneiros, são desconhecidos do público”, afirma Miriam Lerner, diretora geral do MCB. “Nesse sentido, torna-se primordial a pesquisa e difusão acerca dessas figuras icônicas para o desenvolvimento do design no país”.

Em novembro, foi realizado o debate “A contribuição de Fábio Alvim para o design de autor no Brasil”, coordenado pelo museólogo Fábio Magalhães, também curador da pequena mostra. O encontro discutiu o legado de Alvim para o design brasileiro e contou com especialistas convidados, como Adélia Borges e o professor Auresdene Pires Stephan (Eddy). A ocasião marcou também o lançamento da página http://www.fabioalvimdesign.com, com informações detalhadas sobre o designer: biografia, processo criativo, principais exposições, reportagens e imagens de trabalhos como as luminárias “Nuvem”, “Triângulo”, “Circular” e “Curva”.

SobreFábio – Fábio Alvim (1944-93) é considerado um dos mais inventivos e inovadores designers do Brasil. Paulistano, graduado em Artes Plásticas pela FAAP e com pós-graduação em Artes Gráficas pela Aston University, em Birmingham, Inglaterra, iniciou sua trajetória com a criação de joias, tendo recebido, em 1971, o Prêmio de Melhor Pesquisa em Joalheria na XI Bienal de São Paulo. Pesquisador incansável, consagrou-se nacional e internacionalmente com o design de luminárias e outros objetos, recebendo em 1978, com a luminária “Nuvem”, o Prêmio de Melhor Projeto na Mostra de Móvel e Objeto Inusitado (MIS-SP). Entre as décadas de 1970-90, forneceu peças para inúmeras cidades do Brasil e, nos anos 1980, também para a galeria Art&Industrie, de Nova York, especialmente as luminárias “Concha” – projeto que viria a ser catalogado pelo Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). Ainda jovem estudante, recebeu, em parceria com Natanael Longo, o Prêmio Governador do Estado (SP) pela criação da fachada principal do então recém-inaugurado Palácio dos Bandeirantes.

“Fabio Alvim foi um designer de linguagem autoral e com forte expressão plástica. Destacou-se na sua geração (anos 70) pela proposta inovadora e inusitada de seus projetos e pela simplicidade dos processos construtivos. Tornou-se referência no design brasileiro, sobretudo, por suas luminárias. Seus projetos priorizaram as vertentes da imaginação, da poética plástica, da dinâmica espacial, sempre prevalentes em seu design. Adotou a funcionalidade como uma preocupação necessária, mas não suficiente. Para Fabio Alvim, o bom desempenho de um objeto depende da qualidade da relação que estabelece com o usuário, da sua capacidade de despertar desejo, de propiciar uma relação prazerosa”, afirma Fábio Magalhães.| FabioAlvim

SobreMuseu – O MCB (Museu da Casa Brasileira) dedica-se às questões da cultura material da casa brasileira. É o único do país especializado em design e arquitetura, tendo se tornado uma referência nacional e internacional nesses temas. Dentre suas inúmeras iniciativas, destaca-se o Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, realizado desde 1986, e este ano comemora sua 27ª edição.

Serviço: Pioneiros do design brasileiro: Fábio Alvim/ até 26 de janeiro de 2014/ Museu da Casa Brasileira/ de terça a domingo das 10h às 18h/ Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705, Jardim Paulistano, São Paulo, SP/ (11)3032.3727/ Ingresso: R$ 4,00 – Estudantes R$ 2,00/ Domingos e feriados – Gratuito/ Área acessível/Bicicletário com 20 vagas/ Estacionamento pago no local/ Visitas orientadas: (11)3032.2564/ agendamento@mcb.org.br| MCB

Lelé em Salvador
07/11/2012

A arquitetura de Lelé

Museu da Casa Brasileira leva a Salvador a exposição “A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção”, até 19 de novembro. Realizada originalmente em 2010 no Museu da Casa Brasileira, “A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção” tem curadoria do arquiteto e professor da Universidade de Delft, Max Risselada e do arquiteto e diretor técnico do MCB, Giancarlo Latorraca. A mostra possibilita apreender o apuro técnico e a grande inventividade deste arquiteto brasileiro. A exposição inicia com um painel cronológico de suas centenas de obras, elucidando o processo de racionalização do canteiro presente na trajetória do arquiteto, em sua serie de fábricas implantadas ao longo dos anos. Em destaque com maquetes, fotografias, desenhos e vídeo-animações, estão os sistemas e tecnologias desenvolvidos para a construção de passarelas que marcam a paisagem da cidade de Salvador; hospitais e centros de reabilitação do aparelho locomotor; e várias sedes do Tribunal de Contas da União, construídas entre 1992 e 2009, na penúltima fábrica do arquiteto, a do Centro de Tecnologia da Rede Sarah (CTRS). Em mais de 50 anos de carreira, iniciada ao lado de Oscar Niemeyer e Darcy Ribeiro em Brasília, João Filgueiras Lima foi um dos que mais longe levou as propostas do Movimento Moderno. Promoveu a melhoria das condições de vida em nossas cidades por meio de uma arquitetura produzida em série e eticamente comprometida com a construção de uma espacialidade adequada ao homem e ao ambiente em que está inserida.| Serviço: A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção / foyer do Teatro Castro Alves / Praça Dois de Julho, S/N, Salvador, Bahia / até 19 de novembro / das 12h às 18h| www.mcb.org.br

MCB promove a primeira itinerância internacional da exposição “Lelé: arquiteto da saúde e do bem-estar”, no NAI – Holanda
23/10/2012

Exposição, ampliada em relação ao seu formato original, revela projetos arquitetônicos que buscam promover melhorias na qualidade de vida. Em parceria com o Instituto Holandês de Arquitetura (NAI) e a Universidade de Delft (Holanda), o Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, realiza a primeira itinerância internacional da exposição do arquiteto João Filgueiras Lima, o Lelé. Sediado na cidade holandesa de Roterdã, o NAI abriga, até 10 de fevereiro de 2013, a exposição “Lelé: arquiteto da saúde e do bem-estar”. Para a ocasião, a curadoria da mostra, concebida por Giancarlo Latorraca (MCB) e Max Risselada (Universidade de Delf), recebeu contribuições de Jorn Konijn (NAI), com a inclusão de novas referências ao trabalho do arquiteto brasileiro, que busca a melhoria da qualidade de vida por meio da arquitetura produzida em larga escala. / Serviço: Exposição Lelé: arquiteto da saúde e do bem-estar / Abertura: 26 de outubro / Visitação: até 10 de fevereiro de 2013 / Local: Instituto Holandês de Arquitetura – NAI (Netherlands Architecture Institute) / Museumpark 25, 3015 CB Roterdã , Holanda / Tel.: +31(0)10 440 12 00 | www.nai.nl