Sobre o vão livre do Masp
30/12/2013

Manifestação do Instituto Lina Bo e P. M. Bardi sobre o vão livre do Masp

Vão livre do MaspNeste momento no qual comemoramos (5/12) o 99o aniversário de Lina Bo Bardi, as notícias recentes do agravamento das condições de segurança no vão livre do Masp são preocupantes. O debate que se instalou nos meios de comunicação revela a preocupação da sociedade paulista com os destinos de seu principal museu, edifício escolhido inúmeras vezes como um ícone da cidade de São Paulo.

Concebido para ser aberto para o uso público, o espaço do vão livre é extensão das ruas e praças da cidade. O vão livre complementa a transparência do edifício no objetivo de aproximar a arte da vida cotidiana. Ambos configuram o caráter do Masp como museu dedicado à formação de público e de artistas desde sua fundação. As transformações da cidade e da sociedade podem exigir adaptações na arquitetura e no funcionamento do museu, mas nunca contraditórias com sua concepção e projeto arquitetônico original.

O Instituto Bardi considera que o enfrentamento da violência urbana paulistana no vão livre exige políticas públicas integradas, envolvendo além dos organismos de segurança, o planejamento de ações sociais e de saúde pública. Somente através de planejamento e gestão adequada do poder público, estadual e municipal, poderá ser revertida a degradação do espaço do vão livre. Além disto, propomos uma ação conjunta com instituições não governamentais, universidades e o próprio museu, para torná-lo, no ano do centenário de Lina Bo Bardi, uma nova referência de espaço público na consciência coletiva paulista: livre, seguro e inclusivo.

O Masp e seu vão livre não deveriam ser cercados, mas sim abraçados pela sociedade paulista. Um abraço que defenda a liberdade política que ele representa, que o proteja da violência urbana a que está sujeito, que ampare aqueles que ali estão e necessitem de ajuda. Um abraço que represente o afeto desta sociedade pelo museu que ela reconhece como seu principal ícone.

Renato Luis Sobral Anelli, diretor do Instituto Lina Bo e P. M. Bardi e pesquisador do Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da USP São Carlos| InstitutoBardi

Seminário sobre Lina Bo Bardi em Londres
07/11/2012

Londres terá seminário sobre Lina Bo Bardi com presença de arquitetos brasileiros

No próximo dia 10 de novembro (sábado) Londres será palco de mais um evento relacionado à arquiteta moderna ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (1914/1992). Desde o mês de setembro os londrinos já estão sendo brindados com uma exposição sobre a arquiteta e cuja visitação termina no próximo dia 30 de novembro. O seminário será realizado pelo Institute of Contemporany Arts em colaboração com a British Council Gallery e trata-se de uma oportunidade única, segundo os organizadores, dos participantes terem contato com o extraordinário legado de Lina e dialogarem com arquitetos brasileiros estudiosos e pesquisadores de sua vasta obra. O programa do seminário começa às 14 horas e se estende por toda tarde do sábado com a presença de dois professores do Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da USP São Carlos. Entre 14 e 15 horas (horário de Londres), o arquiteto Renato Anelli será o responsável pelo seminário “Lina Bo Bardi in the frame of Brazilian Modern Architecture”. Na sequência, das 15 às 15h45 será a vez do também arquiteto brasileiro Marcelo Ferraz falar sobre o tema “The Making of SESC Pompéia”. Logo após, das 16 às 17 horas, será a vez do docente do IAU/USP Marcelo Suzuki tratar de outra tema: “Lina Bo Bardi is Brazilian culture: modern, old and popular”. No encerramento, dois arquitetos ingleses – Tony Fretton e Rowan Moore, também discutem a obra de Lina com os brasileiros. Exposição Lina – Com curadoria da também arquiteta radicada em Londres, a argentina Noemi Bleger, a exposição na British Council Gallery sobre Lina Bo Bardi conta com a Timeline produzida pelo professor Renato Anelli. A mostra tem instalação da arquiteta holandesa Madelon Vriesendorp e conta também com a exibição de um filme do cineasta Tapio Snellman. A Timeline de Anelli é decorrente de seu trabalho de livre-docência e faz parte de projeto de pesquisa que conta com apoio da Fapesp. “Fiz a linha do tempo com o objetivo dessa peça ser a responsável pela apresentação da trajetória de Lina Bo Bardi para um público estrangeiro”, explica o arquiteto do IAU/USP.| linabobarditogether.com