As casas de Oscar Niemeyer
13/11/2012

A Editora Gustavo GG Brasil lança Casas, o primeiro livro dedicado unicamente aos projetos, construídos ou não, das casas de Niemeyer como casa Cavalcanti, Juscelino Kubitschek, Francisco Pignatari, Darcy Ribeiro, Orestes Quércia entre outras. Suas casas dividem-se em três fases com suas primeiras influencias da arquitetura de Le Corbusier e Lúcio Costa, suas referências coloniais brasileiras e a evolução de seu estilo arquitetônico único, em que o arquiteto assumiu uma crescente liberdade formal para fazer o uso da plasticidade do concreto armado. “E tudo começou quando iniciei os primeiros estudos de Pampulha – minha primeira fase – desprezando deliberadamente o ângulo reto e a arquitetura racionalista feita de régua e esquadro, para penetrar corajosamente nesse mundo de curvas e retas que o concreto oferece” afirma o arquiteto. Pouco interessado na produção de sua arquitetura em larga escala, Niemeyer preocupa-se mais com a perfeita implantação de suas casas na topografia e com sua integração com a paisagem. O resultado é um conjunto de casas únicas que, complementadas pelo trabalho de Athos Bulcão e do paisagista Burle Marx. Além da emblemática Casa das Canoas, este livro apresenta uma seleção de casas construídas de 1940 a 2005, que inclui exemplares pouco divulgados, como a Strick House, nos Estados Unidos, e a própria residência do arquiteto em Brasília. Com mais de trezentas fotografias e croquis do próprio arquiteto, Oscar Niemeyer-Casas destina-se a estudantes e a todos os profissionais interessados em compreender a obra de um dos mais importantes arquitetos de todos os tempos.| Alan Hess é arquiteto e mestre em arquitetura pela University of California em Los Angeles (UCLA), onde também lecionou. É autor de diversos livros de arquitetura, entre os quais The Architecture of John Lautner (1999), The Houses of Frank Lloyd Wright (2005), Organic Architecture: The Other Modernism (2006) e Forgotten Modern: California Houses 1940-1970 (2008). Alan Weintraub é fotógrafo especializado em arquitetura, cujo trabalho é internacionalmente reconhecido em publicações monográficas de projetos de grandes arquitetos, como Frank Lloyd Wright, Oscar Niemeyer e John Lautner.| Dados técnicos: Oscar Niemeyer-Casas / Editora: Ggbrasil / Alan Hess / Fotografías: Alan Weintraub / 22 x 28 cm / 232 páginas / ISBN: 9788425224812 / Capa dura com sobrecapa / 2012 / R$ 149,00| ggili

Lelé em Salvador
07/11/2012

A arquitetura de Lelé

Museu da Casa Brasileira leva a Salvador a exposição “A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção”, até 19 de novembro. Realizada originalmente em 2010 no Museu da Casa Brasileira, “A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção” tem curadoria do arquiteto e professor da Universidade de Delft, Max Risselada e do arquiteto e diretor técnico do MCB, Giancarlo Latorraca. A mostra possibilita apreender o apuro técnico e a grande inventividade deste arquiteto brasileiro. A exposição inicia com um painel cronológico de suas centenas de obras, elucidando o processo de racionalização do canteiro presente na trajetória do arquiteto, em sua serie de fábricas implantadas ao longo dos anos. Em destaque com maquetes, fotografias, desenhos e vídeo-animações, estão os sistemas e tecnologias desenvolvidos para a construção de passarelas que marcam a paisagem da cidade de Salvador; hospitais e centros de reabilitação do aparelho locomotor; e várias sedes do Tribunal de Contas da União, construídas entre 1992 e 2009, na penúltima fábrica do arquiteto, a do Centro de Tecnologia da Rede Sarah (CTRS). Em mais de 50 anos de carreira, iniciada ao lado de Oscar Niemeyer e Darcy Ribeiro em Brasília, João Filgueiras Lima foi um dos que mais longe levou as propostas do Movimento Moderno. Promoveu a melhoria das condições de vida em nossas cidades por meio de uma arquitetura produzida em série e eticamente comprometida com a construção de uma espacialidade adequada ao homem e ao ambiente em que está inserida.| Serviço: A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção / foyer do Teatro Castro Alves / Praça Dois de Julho, S/N, Salvador, Bahia / até 19 de novembro / das 12h às 18h| www.mcb.org.br