Archive for the ‘Livros&Publicações’ Category

Livro ‘Aprendizagem em Arquitetura e Urbanismo’
09/06/2017

Professores da Unesp tratam de Experiências de São Paulo – Sevilha

O lançamento do livro bilíngue (português/ espanhol) ‘Metodologias de Projeto e Ferramentas de Pesquisa, Ensino – Aprendizagem em Arquitetura e Urbanismo: Experiências de São Paulo – Sevilha’, de Evandro Fiorin e Arlete M. Francisco, da Unesp de Presidente Prudente, foi possível graças ao Edital de Visita docente à Espanha, promovido pela PROGRAD – Pró-reitoria de Graduação e pela PROPg – Pró-reitoria de Pós-graduação, no qual foram contemplados em 2015.
“É, também, fruto de um profícuo trabalho entre grupos de pesquisa do Brasil e da Espanha, resultado do nosso empenho docente para com a graduação e de uma ação afirmativa no campo da pesquisa e internacionalização da Unesp”, afirmam os pesquisadores.

O livro pode ser acessado pelo link: http://unesp.br/portal#!/prograd/e-livros-prograd/

Serviço:
UNESP-Universidade Estadual Paulista-Campus de Presidente Prudente-SP-Brasil
http://fct.unesp.br
Metodologias de Projeto e Ferramentas de Pesquisa, Ensino – Aprendizagem em Arquitetura e Urbanismo: Experiências de São Paulo – Sevilha | Baixar PDF
GPArC-Grupo de Pesquisa de Projeto, Arquitetura e Cidade

 

Anatxu Zabalbeascoa | Tudo sobre a casa
28/04/2014

Tudo sobre a casa – A história da casa segundo Anatxu Zabalbeascoa com ilustrações de Riki Blanco e prefácio de João Sete Whitaker Ferreira: “O passado revela mais necessidades do que caprichos por trás das grandes decisões arquitetônicas”

As cozinhas, as banheiras e até os garfos escondem uma história. A vida privada diz tanto sobre uma civilização quanto a análise de suas batalhas e guerras. Em Tudo sobre a casa, a jornalista e historiadora Anatxu Zabalbeascoa analisa a evolução das residências ao longo da história e revela a origem de nossos arraigados hábitos domésticos.

Anatxu Zabalbeascoa - Tudo sobre a casa

Anatxu Zabalbeascoa analisa a evolução das residências ao longo da história

Se os romanos comiam deitados, e durante a Idade Média foi imposto o costume bárbaro de comer sentado ao redor de uma mesa, os reis renascentistas, por sua vez, costumavam comer sozinhos em frente a um numeroso séquito que permanecia de pé a sua volta. As primeiras camas construídas eram estruturas elevadas para evitar umidade, correntes e ratos. E, mais do que um móvel destinado ao descanso, para a nobreza medieval o leito foi um dos epicentros da atividade social da corte, onde se recebiam visitas ou se tratavam assuntos de Estado. Os banheiros não tiveram um espaço próprio dentro da casa até o início do século XX, quando convergiram a generalização dos encanamentos, a água quente e as doutrinas higienizadoras.

Tudo sobre a casa é uma crônica leve e apaixonante dos fatos que configuraram a evolução da casa e de nossos hábitos domésticos. Arquitetura, tecnologia e vida privada confluem nessa obra que, partindo de uma análise social e antropológica, narra a história de seis espaços – cozinha, quarto, jardim, sala e sala de jantar – para revelar a evolução de nosso próprio cotidiano. Por suas páginas não apenas desfilam Le Corbusier e Chippendale, o estilo imperial e os jardins suspensos da Babilônia, mas também inventores e decoradores, políticos e monarcas, assim como nobres, burgueses e camponeses.

O estudo de Anatxu Zabalbeascoa discorre paralelamente às ilustrações de Riki Blanco, criadas especialmente para esse relato, e que conseguem captar e levar o leitor a ambientes passados com uma acuidade excepcional. Além disso, o artista de Barcelona criou um magnífico vídeo animado com as ilustrações do livro, que pode ser visto em nosso facebook: http://www.facebook.com/editoragustavogilibrasil

Os autores: Anatxu Zabalbeascoa (Barcelona, 1966) é jornalista e historiadora especializada em arquitetura. Trabalha como crítica para o jornal El País e, paralelamente, escreve no blog ‘Del tirador a la ciudad’. Também é autora de vários livros de arquitetura, entre eles, Minimalismos (2001), Las casas del siglo (1998) e Vidas construídas (1998), publicados pela Gustavo Gili./ Riki Blanco (Barcelona, 1978) é ilustrador editorial, e também colabora para a imprensa, para música e criando pôsteres. Com mais de 20 livros, seu trabalho tem sido reconhecido com prestigiosos prêmios na Espanha e no mundo./ João Sete Whitaker Ferreira é professor doutor nos cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e professor doutor associado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie-SP. Vice-coordenador da Área de Concentração Habitat do Programa de Pós-Graduação da FAUUSP. É coordenador e pesquisador sênior do Laboratório de Habitação e Assentamentos Humanos (LabHab) da FAU USP e co-líder do Grupo de Pesquisa Projeto, Produção e Gestão da Habitação Social no Brasil, na FAU Mackenzie.

Ficha: Tudo sobre a casa / Anatxu Zabalbeascoa / Editora: GGBrasil / 223 páginas / ISBN: 9788565985147/ Capa dura / 2014/ R$ 89,00| webGGBrasil

Microconcreto de alto desempenho
25/03/2014

Livro aborda uso do microconcreto de alto desempenho na construção do habitat social
Microconcreto

Livro Microconcreto de Alto Desempeño – La tecnologia del MicroCAD aplicada en la construcción del hábitat social (Editora Mandarim, 200 páginas)

Obra reúne os avanços recentes na tecnologia da argamassa armada, que permite a moldagem de peças delgadas e leves. Técnica pode ser adotada para obras habitacionais, equipamentos urbanos, edifícios sociais e estruturas para saneamento básico.

As mais recentes inovações na produção de peças pré-fabricadas com argamassa armada estão reunidas no livro Microconcreto de Alto Desempeño – La tecnologia del MicroCAD aplicada en la construcción del hábitat social, recém-lançado pela Editora Mandarim em parceria com o Cyted – Programa Iberoamericano de de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento.

São 200 páginas com artigos dos pesquisadores José Adolfo Peña (Venezuela), Máximo Bocalandro (Cuba), Walter Kruk (Uruguai), Dante Agustin Pipa (Argentina), Olga Suárez (Espanha) e Paulo Eduardo Fonseca de Campos, arquiteto e professor brasileiro, da FAU USP, que organizou a edição.

Avó do concreto, a argamassa armada nasceu, em meados do século 19, por iniciativa do francês Joseph Louís Lambot. Ao longo do século 20, a técnica passou pelas mãos de gênios, como o engenheiro italiano Pier Luigi Nervi, ou o arquiteto brasileiro José Filgueiras Lima, o Lélé, e também por inovações nascidas em pesquisas acadêmicas, como as realizadas pelo Laboratório de Estruturas da USP São Carlos.

Trata-se de um material de alta resistência e baixa porosidade, por isso microconcreto de alto desempenho. E que permite a moldagem de peças delgadas e leves, possíveis de serem transportadas com equipamentos muito simples. Daí sua adequação para a construção de habitações e equipamentos de uso social.

O livro, em espanhol, reúne textos técnicos, tabelas e gráficos, dezenas de imagens de obras realizadas e, também, um pouco da história do material. Está disponível, em versão digital, no site www.microconcreto.net, mas também pode ser comprado em versão impressa, diretamente no site.

Serviço: Livro Microconcreto de Alto Desempeño – La tecnologia del MicroCAD aplicada en la construcción del hábitat social (Editora Mandarim, 200 páginas). Eduardo Fonseca de Campos (organizador), com textos de Adolfo Peña, Máximo Bocalandro, Walter Kruk, Dante Agustin Pipa e Olga Suárez. | webMandarim

Livro Cidade, Linguagem e Tecnologia
14/02/2014

O livro “Cidade, Linguagem e Tecnologia: 20 anos de História”, organizado por Eduardo Guimarães e publicado de forma online no site do LABEURB foi lançado em dezembro

Cidade, Linguagem e TecnologiaEsta obra está articulada por dois eixos fundamentais. De um lado, é uma obra que reúne trabalhos vinculados à área de pesquisa “Saber Urbano e Linguagem”, que organiza as atividades de pesquisa do Laboratório de Estudos Urbanos, do Nudecri da Unicamp. Estes textos são de pesquisadores que têm relação com a história do Labeurb (tanto pesquisadores do próprio Labeurb, quanto de outras instituições que mantêm relações de trabalho com o Laboratório). Por outro lado é uma obra que se faz como parte do registro dos 20 anos de atividades do Laboratório (completados em 2012, momento em que se projetou a organização desta obra que ora se publica). E nesta medida é uma obra que reúne também poesia e um registro fotográfico de sua história. Deste modo ela cruza trabalhos que fazem operar de vários modos a multidisciplinaridade. De um lado cruza trabalhos de disciplinas científicas do domínio das ciências humanas e sociais e de outro cruza estes trabalhos com o domínio da arte, tanto porque se ocupa de análises sobre produções artísticas nos artigos de sua primeira parte, quando pela publicação de dois poemas e de um itinerário fotográfico-histórico.

O livro está disponivel nos formatos HTML, PDF e EPUB para dispositivos móveis.| Labeurb

AsBEA lança livro
31/12/2013

AsBEA 40 anosArquitetura Brasileira: AsBEA 40 anos, um recorte da arquitetura brasileira nas últimas quatro décadas é o fio condutor do livro lançado, no dia 12 de dezembro, marcando a fundação da AsBEA- Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura, entidade constituída na primeira metade da década de 1970.

De autoria do arquiteto-jornalista, crítico de arquitetura e editor da revista Monolito, Fernando Serapião, a publicação tem um caráter abrangente e significativo da produção da arquitetura brasileira. Além de trazer um panorama de projetos dos escritórios associados, expõe, em textos, desenhos e fotos, uma seleção plural e, ao mesmo tempo, precisa das obras mais relevantes que foram projetadas no período.

O desafio de organizar um volume que contasse a história dos 40 anos da instituição, conta Serapião, foi lançado no primeiro semestre de 2013. “Durante a pesquisa, ficou claro para mim o paralelo entre a história da entidade e os fatos políticos, econômicos e sociais que ocorreram no Brasil no período”, ele explica. É por isso que a narrativa da trajetória da entidade está contextualizada e entremeada com diferentes momentos da história do país. São cinco capítulos (dividido por décadas) relatados a partir de 18 de julho de 1973, data em que a entidade foi oficialmente constituída.

Colaboração preciosa na recuperação dessa memória teve o arquiteto Alberto Botti, que redigiu a apresentação do livro e esteve presente nos antecedentes e na data da constituição formal e continua atuante tanto no seu escritório (Botti Rubin Arquitetos) como na definição nos rumos da associação. “Ele conta os primórdios da entidade, é testemunha ocular de todo o processo e ainda é muito ativo”, explica o autor.

Saboroso, o texto começa descrevendo a tarde da segunda-feira, em Brasília, quando o general-presidente Emílio Garrastazu Médici anunciou que o então presidente da Petrobrás, o também general Ernesto Geisel, iria sucedê-lo. Por curiosa coincidência, a data é também o da abertura, em São Paulo, da primeira Bienal Internacional de Arquitetura, evento que só voltaria a ser realizado duas décadas depois. No capitulo seguinte (anos 1980) ele pontua o momento da entidade com a terça-feira, 15 de janeiro de 1985, ocasião em que o Congresso Nacional elegeu como presidente da República, Tancredo Neves.

Serapião arremata cronologicamente a narrativa, descrevendo o clima efervescente da sexta-feira, 14 de junho de 2013 – a poucos dias do “aniversário oficial” da AsBEA – , quando as ruas de São Paulo foram tomadas pelas manifestações populares. Os acontecimentos servem também como pano de fundo para pontuar vários dos episódios marcantes na história da instituição e para tratar das expectativas para o futuro da entidade, presidida atualmente pelo arquiteto Eduardo Sampaio Nardelli.

Escapando, portanto, das tradicionais configurações dos livros de arquitetura – onde, em geral, os textos não são exatamente atraentes para quem não esteja vinculado ao meio profissional – Arquitetura Brasileira: Asbea 40 anos – pode ser apreciado por um público mais diversificado. A publicação tem 300 páginas, com textos em português e inglês, e teve tiragem inicial de 5 mil exemplares que serão distribuídos nas principais livrarias. Patrocinadores: Cebrace, Forbo, Gail, Roll-on, Abatex, CHGrupo, Deca, Eliane e Método.

Ficha: Arquitetura Brasileira: AsBEA 40 anos/ Texto e organização: Fernando Serapião/ Editora Monolito/ Projeto gráfico: Prata Design/ Gráfica: Pancrom/ 300 páginas/ Capa dura| Monolito

Arquitetura e Mercado Imobiliário pela Manole
30/12/2013

Arquitetura e Mercado Imobiliário, que acaba de ser lançada pela editora Manole, é uma obra pioneira sobre um tema pouco trabalhado no Brasil.

Arquitetura e Mercado Imobiliário pela ManoleO livro faz uma ponte entre os dois assuntos e trata da estreita relação entre mercado imobiliário e arquitetura mostrando, através de análises, os interesses envolvidos e seus principais protagonistas; as ideologias que norteiam a produção e a crítica arquitetônica; o surgimento das novas tipologias arquitetônicas, sua motivação, absorção e reprodução; e o contexto socioeconômico e cultural que construiu cada um desses momentos.

Segundo Heliana Comin Vargas, arquiteta e urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) e uma das autoras, Arquitetura e Mercado Imobiliário coloca a discussão da arquitetura, do ponto de vista do arquiteto, e a produção imobiliária, do ponto de vista do empreendedor imobiliário e como essas duas áreas, que se apresentam distanciadas, tentam dialogar. “A Arquitetura considera o edifício como um valor de uso e o Mercado Imobiliário como um valor de troca. Este é o âmago do livro. Buscamos tratar o assunto de forma desarmada e sem preconceito”, afirma Heliana Comin Vargas.

A obra também aborda as conjunturas internacionais e sua influência nos movimentos arquitetônicos; os principais agentes envolvidos e seus interesses; as demandas dos principais clientes e suas premissas para os projetos; as tentativas de reservas de mercado; o aparato jurídico e institucional; dentre outros condicionantes, fornecendo elementos para a análise e a crítica dos processos antigos e atuais.

“O livro também inicia uma discussão sobre o tema Arquitetura e Mercado Imobiliário trazendo os seus três principais atores: o arquiteto, o empreendedor imobiliário e o Estado e, em um segundo momento, trabalha a produção imobiliária para os diversos usos, residencial, escritórios, comercial, hoteleira e a indústria”, conclui Heliana Comin Vargas.

Imprescindível para estudantes, professores e profissionais das áreas de arquitetura e mercado imobiliário, a obra reúne ampla bibliografia e aborda, de forma clara, a produção imobiliária e o ponto de vista do empreendedor; o fator localização; a publicidade imobiliária; a legislação urbanística e as políticas habitacionais e seus desdobramentos.

SobreautoresHeliana Comin Vargas: Arquiteta e urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP); economista pela PUC-SP; mestre e doutora em Arquitetura e Urbanismo pela FAU-USP; pós-doutora em Formação de Lideranças para o Planejamento Ambiental pela Academia Internacional de Meio Ambiente, em Genebra. Professora titular e coordenadora do Laboratório de Comércio e Cidade (LabCom) da FAU-USP. É especialista em estudos de dinâmica e economia urbanas e em projetos de intervenção, com foco no setor terciário e ênfase nas atividades de comércio e serviços varejistas./ Cristina Pereira de Araujo: Arquiteta e urbanista pela FAU Belas Artes; mestre em Paisagem e Ambiente e doutora em Planejamento Urbano e Regional pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP). É professora adjunta do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco, campus Recife. Já atuou na Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente da cidade de São Paulo. Tem experiência na área de planejamento ambiental e urbano.

Ficha: Arquitetura e Mercado Imobiliário/ ISBN: 9788520434376/ Autores: Heliana Comin Vargas e Cristina Pereira de Araujo/ Formato: 17 x 24 cm, 316 p., R$ 59,00/ Editora Manole, 2014.| Manole

AU moderno brasileiro
13/12/2013

Publicação aborda a preservação e a gestão do patrimônio arquitetônico do Brasil, a partir de análises de projetos realizados em Salvador

A Editora da Universidade Federal de São Carlos (EdUFSCar) lança livro da arquiteta e urbanista Ana Lúcia Cerávolo, “Interpretações do patrimônio: arquitetura e urbanismo moderno na constituição de uma cultura de intervenção no Brasil, 1930-1960”. O livro trata a questão das políticas públicas de preservação e gestão do patrimônio cultural, dialogando com narrativas existentes sobre o patrimônio no Brasil, inserindo-se no questionamento da construção e reconstrução da cultura arquitetônica no País após o movimento moderno.

No livro, foram analisados dois projetos realizados em Salvador, na Bahia: a restauração e conversão do Convento de Santa Teresa no Museu de Arte Sacra da Bahia e a restauração e adequação do Solar do Unhão para abrigar o Museu de Arte Moderna da Bahia; para isso a autora ainda faz uma ampla revisão historiográfica sobre a política de preservação no País e a prática de intervenções realizadas por vários agentes desde a criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), há 70 anos.

Ana Lúcia é arquiteta, possuindo doutorado na área de Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo Moderno pela USP, com ênfase em intervenções e restauração sobre o patrimônio cultural. Também coordenou ações patrimoniais em São Carlos por mais de dez anos, atuando desde 1994 como pesquisadora do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), com projetos sobre arquitetura e urbanismo moderno. O livro foi lançado em novembro e já se encontra disponível para venda na Livraria da EdUFSCar, localizada na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar, próximo à Biblioteca Comunitária (BCo), (16)3351-9622.

Ficha: Interpretações do patrimônio – Arquitetura e urbanismo moderno na constituição de uma cultura de intervenção no Brasil/ Cód.7486/ 2013/ Autora: Ana Lúcia Cerávolo/ Primeira Edição/ ISBN: 978-85-7600-330-4/ 228 Páginas/ R$ 48,00| EditoraUFSCar

Pantanal revela arquitetura centenária
12/12/2013

Fazenda em Cárceres, na região do Pantanal Matogrossense revela arquitetura centenária reminiscente da Guerra do Paraguai

Imagem integra livro “Projeto Taiamã, vida às margens do Pantanal”, lançado pela editora Avis Brasilis, com apoio do Ministério da Cultura e incentivos da Lei Rounet.

A obra reúne fotografias de Lester Scalon que captam, além da riqueza de habitats, fauna e flora da Estação Ecológica, as fazendas centenárias da região, reminiscentes da histórica guerra do Paraguai. O Pantanal foi palco desse cruel conflito da América do Sul entre 1864 e 1870. Mesmo com a vitória do Brasil e seus aliados, pouco restou das cidades e fazendas pantaneiras. Lester retrata em detalhes o que restou das antigas fazendas e permite ao leitor uma viagem pela nossa história.

Com o livro, autor e editora, com apoio do Ministério da Cultura, buscam contribuir para a melhoria da consciência e do conhecimento sobre a rica biodiversidade pantaneira, abrindo caminho para o desenvolvimento sustentável no presente e no futuro.

Ficha: Livro Taiamã, a vida às margens do Pantanal/ Autor: Lester Scalon ,fotográfo de natureza/ Editora: Avis Brasilis/ Apoio: Lei Rouanet – Lei de Incentivo a Cultura/ Patrocínio: CBMM – Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração| AvisBrasilis

Sobre bolas, sobre Longo
10/12/2013

Quem já passou pela Rua Amauri, em Pinheiros, deve ter se deparado com uma esférica metálica gigante, com 8 metros de diâmetro. Trata-se da Casa Bola, projetada nos anos 1970 pelo arquiteto Eduardo Longo. A moradia nada convencional faz parte de uma série de estudos sobre o excesso e o essencial, que sempre permearam a vida e carreira de Eduardo. Dentre os exercícios para se livrar do supérfluo, aplicados em carros e paredes, Longo projetou uma maquete de uma casa nada convencional: redonda, instigante, sem qualquer ângulo reto ou espaços para o excesso. A maquete virou um projeto e Eduardo aplicou o conceito de moradia como espaço essencial ao limite, erguendo a casa em questão.

Este e outros trabalhos inovadores são temas do livro “Sobre Bolas e outros Projetos – Eduardo Longo arquiteto”, que a Fundação Stickel lançou em de novembro, no Museu da Casa Brasileira. Além disso, o mentor da Casa Bola foi um dos participantes da X Bienal de Arquitetura de São Paulo 2013.

“Sobre Bolas e outros Projetos”, escrito pelo jovem arquiteto português Fernando Serapião, faz uma leitura da desafiadora produção de Longo, que, em 40 anos de arquitetura, questionou não apenas padrões de usos e costumes residenciais, mas também de ocupação urbana e ambiental, movido mais por necessidades internas do que por demandas de mercado. O livro cobre toda a sua trajetória, mas não toda sua produção, repleta de pequenas intervenções, nem todas devidamente documentadas.

A Fundação Stickel enquadrará a parceria com Eduardo Longo no Projeto Contrapartida 2014, que apoia e promove artistas brasileiros contemporâneos por meio da realização ou patrocínio de exposições, publicação de livros e divulgação do trabalho. Em contrapartida a este apoio, os artistas se comprometem a contribuir com a comunidade na qual a Fundação Stickel atua, ministrando cursos, oficinas e palestras sobre arte e cultura. Os detalhes do Projeto Contrapartida 2014 com Eduardo Longo serão disponibilizados no site da Fundação Stickel.

SobreStickel – A Fundação Stickel é uma organização sem fins lucrativos cujo principal objetivo é promover a arte e o desenvolvimento, proporcionando ao seu público-alvo melhores oportunidades de inserção social pelo acesso à cultura, trabalho e geração de renda. As atividades da Fundação Stickel concentram-se atualmente em comunidades da zona norte da cidade de São Paulo. Todos os projetos e serviços da Fundação Stickel são gratuitos, e a instituição presta contas de suas ações com transparência e responsabilidade.| FundaçãoStickel

Ficha: “Sobre Bolas e outros Projetos – Eduardo Longo arquiteto”/ Autor e editora: Fernando Serapião – Paralaxe Editora/ Coordenação Editorial: Marcelo Aflalo e Marta Rodés Aflalo/ Projeto Gráfico: Marcelo Aflalo / Univers Design/ Páginas: 196/ Preço: R$ 90| ParalaxeEditora

Engenharia de Avaliações
10/12/2013

O IBAPE/SP (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo) lança o livro “Engenharia de Avaliações”

A obra, conhecida também como “Livro Azul”, foi publicado pela Editora Leud e conta com a participação de 26 renomados especialistas que tratam de temas como Engenharia Legal, Avaliação de Imóveis, Procedimentos Judiciais, Técnicas de Avaliações, Desapropriações, Incorporações e Análises de Investimentos, entre outros.

Entre os especialistas que participaram do livro está o engenheiro civil Flavio F. de Figueiredo, vice-presidente do Ibape/SP, que trata do assunto Avaliações de Benfeitorias. De acordo com Flavio Figueiredo, “o livro trata do tema considerando as recentes atualizações das Normas Técnicas referentes a Avaliações de Bens”. Trata-se, portanto, de importante referência, tanto para os que militarem na área, como para aqueles que se utilizam de serviços de Engenharia de Avaliações.| EditoraLeud | IBAPESP