Em 30 anos construção civil será inviável

A primeira palestra da 2ª Conferência USP sobre Engenharia (6,7,8/11) na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), em São Paulo, mostrou que a construção civil precisa urgentemente desenvolver inovações para otimizar o aproveitamento dos recursos naturais. Do contrário, em 20 ou 30 anos a atividade se tornará inviável do ponto de vista da sustentabilidade. “Hoje, a construção civil é responsável pela metade do consumo de toda a matéria prima usada pela humanidade”, informou o pró-reitor de Pós-Graduação da USP, Vahan Agopyan. “Apenas a cadeia produtiva do cimento consome um terço dos recursos naturais do planeta. Consumimos mais cimento do que alimentos.” Embora seja uma sorvedora de recursos naturais, a construção civil não pode ser freada. Se isso ocorresse, cerca de 80% da população mundial ficaria sem habitações decentes, abaixo do nível de qualidade de vida considerado aceitável. Por isso, segundo Agopyan, é preciso reformular o setor com inovações e novas soluções para diminuir o consumo de recursos naturais. “Uma das medidas é a redução dos desperdícios nas construções”, disse. “Hoje o material perdido é cinco vezes maior do que o consumido. A quantidade de resíduos das construções é maior do que lixo produzido nas áreas urbanas.” Outras soluções são usar materiais com maior durabilidade e aumentar a reciclagem.| www.poli.usp.br

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: